terça-feira, 6 de agosto de 2013

O Grande dia "O Parto" Parte II

# Continuando ...


... Fui pra sala de recuperação é incrível como as horas pra gente parece não passar, eu ficava me beliscando a perna pra a anestesia passar logo, até que conseguir mexer o pé e me liberaram pra ir pro quarto, eu estava ansiosa demais pra ver minha filha, minha irmã ficou o tempo todo do lado de fora quando iam me levar ela veio e ajudou a empurrar a maca.
chegando no quarto ela pegou a Júlia e me mostrou, gente não há emoção maior que esse momento, meu coração disparou, me senti a pessoa mais feliz do mundo, ela é linda, perfeita, Deus foi bom demais pra mim, um anjo na minha vida, claro que não contive as lágrimas, eu jamais vou esquecer esse momento.Ela nasceu as 14hs com 3.505 kg e 50 cm.
Cheguei ao quarto as 17hs, enquanto me recuperava meu marido já tinha visto e minha irmã também a enfermeira mostrou a eles. No quarto fui amamenta-la as meia noite eu acho, ela sugou um peito e o outro vazou, fiquei feliz por ela te pegado  o peito bem, e principalmente por ter leite.
Nessa noite passamos sentindo dores eu e ela, as minhas era devido a cirurgia e ela por eu ter feito muita força pra te-la normal acabei machucando muito ela e toda vez que minha irmã tocava ela reclamava e ficou a noite toda resmungando e gemendo e estava quentinha já.

Na manha seguinte depois do banho notei que ela estava bem mais quente e estava esperando o pediatra passar na enfermaria pra poder falar com ele mais olhem o absurdo ele não passou sim não me movi  daquele quarto e ele não passou, depois do almoço perguntei a enfermeira o porque do medico não passar ela disse que ele já tinha passado e ido embora, ahnn como assim???!! em uma Maternidade não ter pediatra sim, minha mãe ficou dando banho frio na minha filha recém-nascida e tomando paracetamol infantil, o dia e a noite toda um sofrimento ver minha filha ardendo em febre é doloroso só de lembrar, a febre chegou a 40 graus, no dia seguinte seria nossa alta e o Pediatra veio e nem olhou pra Júlia só disse que sabia do caso eu pirei e minha vontade era parti pra agressão de tanta raiva, mas logo a moça que tira sangue do laboratório veio e furou minha pequena uma tortura, logo o resultado chegou e 'uma enfermeira' veio dizer que ela ia ficar internada já que eu recebi alta do medico, eu queria saber o porque mas ela não sabia dizer, vieram tentar colocar soro nela e a furaram mais 4 vezes e não conseguiram eu fiquei transtornada como podem furar um bebê tão frágil e não conseguirem, eu sei que era pra saúde dela mais ja deviam ter pessoas que fazem esse trabalho sem machucar tanto os bebês, pois bem, a tarde veio a enfermeira chefe pegar a veia, e quando entra na sala quem é a enfermeira a mesma que me forçou o parto normal, a minha vontade era de gritar e dizer que a culpa era toda dela, minha filha ter se machucado e estar naquela situação, mas no fundo eu sei que tudo foi permissão de Deus e essa prova que estava por vim eu iria vence-la eu e ela.E acabou que a bendita que conseguiu colocar o soro na minha pequena.

Ao anoitecer minha irmã foi na maternidade e foi atrás do Medico pra poder saber o real motivo da Júlia ficar internada e ele disse que a infecção urinaria que tive passou pra ela dentro do útero, não tinha jeito ela tinha que ficar pra tomar os antibióticos, Isso tudo na quarta, na quinta vieram pegar sangue novamente pra repeti os exames, na sexta a mesma coisa e de 8 em 8 hs eles colocavam a medicação no soro, só que a tarde na hora da medicação o soro não descia direito e a enfermeira disse que já era pra ter trocado de mão porque como as veias do bebê é frágil e fica fraca, claro né desabei denovo porque teriam que fura-la novamente, só que agora iriam leva-la pra outra sala, a mãozinha dela tava branquinha e gelada meu coração cortou muita dor pra mim, vieram busca-la pra tentar e quando voltaram não conseguiram pegar disseram que tentariam no sábado, apesar de tudo eu fiquei feliz porque iríamos passar a noite juntas sem aquele soro e ela estava muito bem, mas sentia que só estava adiando tudo.
Na manha seguinte no sábado, a enfermeira veio me dizer que o medico suspendeu a medicação e a Júlia ficaria de observação, mais nunca vinha esse bendito medico ver minha filha, achei um absurdo isso.  Mais uma vez minha irmã foi atrás do  medico e ele disse que pelo os exames ela estava bem e reagiu mais do que o esperado aos antibióticos (Gloria a Deus).

No Domingo eu já estava crente que iríamos para casa, veio uma pediatra muito boa e atenciosa ver a Júlia pessoalmente fiquei muito feliz, ela a examinou perguntou como ela estava reagindo e tudo mais e disse que devido aos antibióticos serem fortes e ela ter se recuperado rápido a observação dela seria 48 hs e teríamos que ficar mais um dia, pra nós que já estávamos completando 1 semana na maternidade mais um dia era mero detalhe e continuamos lá.

Desde o momento que ela tomou a primeira dose de antibiótico, não teve febre e só dormia, eu tinha que acorda-la para mamar, mas era a olhos vistos sua melhora e mesmo dolorido tudo que estávamos passando  eu estava feliz e agradecida a Deus por esta curando minha filha.



#Continua ...